2011/06/09

Família quer de volta menina que foi retirada pela Justiça para adoção


Uma família de Passos, no Sul de Minas, está passando por uma situação delicada. Há pouco mais de um ano, a família recebeu uma criança para cuidar pelo projeto "Família Acolhedora" e agora a criança foi encaminhada para adoção. Apesar dos laços de foram criados enter o casal e a criança, o Ministério Público e a Secretaria de Assistência Social de Passos dizem que a lei tem que ser respeitada. A verdade é que o trabalho das famílias acolhedoras é temporário e elas precisam estar cientes disso. A família acolhedora é usada como opção para que as crianças que foram retiradas dos pais ou que foram abandonadas recebam todos os cuidados de uma família.

Há um ano, o casal Jeferson e Juliene receberam um bebê com apenas um dia de vida. No último domingo (5) foi aniversário da criança, mas a maioria dos presentes que ela ganhou nem foram utilizados, pois na terça-feira (7) ela foi levada pela Justiça para adoção. O casal participa de programas como o "Família Acolhedora" há oito anos, e esta foi a sétima criança que eles receberam. Para o casal, a menina teve algo de especial, já que eles cuidaram dela desde que ela nasceu. Eles se apegaram à criança e agora pretendem procurar a Justiça para tê-la de volta.

De acordo com o Ministério Público, a criança deve mesmo ir para a adoção. Segundo o promotor Éder Capute, o Judiciário prefere que uma criança em situaçaõ de risco social sempre retorne para a família biológica. Ainda conforme o promotor, é determinado por lei que essas crianças fiquem afastadas dos pais biológicos por no máximo dois anos, período que a Justiça tem para pedir o apoio de uma ou de mais famílias voluntárias.

Outro caso
Desde abril, a EPTV acompanha um outro caso no Sul de Minas: o de uma familia que tenta ficar com uma criança em Alfenas. O casal Fágner e Gisele recebeu a criança da própria mãe em março, sem adoção formal. A lei diz que a Justiça é quem define para quem uma criança que não é desejada pelos pais deve ser entregue. E a adoção obedece a uma fila. O casal, que já perdeu dois filhos que nasceram com doenças raras, entrou com a documentação na Justiça para ter a guarda definitiva do bebê. Qaundo o processo chegou na promotoria, foi pedido à Justiça que a criança fosse retirada da família e levada para um abrigo. Mas Fágner e Gisele conseguiram ter o bebê de volta após uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

De acordo com o promotor que cuida do caso, Marcelo Fernandes dos Santos, a criança continua com o casal. A próxima etapa será o julgamento do caso pelo Tribunal de Justiça do Estado, que está previsto para julho deste ano.
FONTE: EPTV.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEJA BEM VINDO

Prezado amigo(a), para nós é uma satisfação a sua visita em nosso blog. Este blog é uma amostra das matérias que circula no Jornal Sul Mineiro. Nas coberturas do Sul Mineiro sempre daremos uma nota aqui. O Jornal Sul Mineiro, Turismo, Negócios e Informações, está na região desde de 2002, ou seja, 10 anos, fazendo um trabalho transparente, honesto e com credibilidade. Tive ao meu lado a minha filha Juliana que foi minha Secretária no início que me ajudou muito. Hoje conto com o apoio enorme da minha esposa Rosy que é Secretária Executiva. O jornal nestes 10 anos sobreviveu graças o apoio das Prefeituras, Câmaras Municipais e Comerciantes, pois o Sul Mineiro é distribuído gratuitamente aos leitores. Sempre procuramos oferecer nossos serviços com transparência e honestidade. Por isso agradecemos sua visita e pedimos que sempre dê uma olhadinha em nosso blog para conferir as novidades.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
BAEPENDI, sudeste/Minas Gerais, Brazil
LOJA DE NOIVA COMPLETA
Ocorreu um erro neste gadget