2012/01/31

MPF denuncia fazendeiro por trabalho escravo na região.

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o proprietário da Fazenda Ponte Alta e seu empregado pelos crimes de trabalho escravo e aliciamento de trabalhadores. Durante uma fiscalização efetuada por equipe do Ministério do Trabalho e Polícia Federal na propriedade situada na zona rural de Alpinópolis, no Sul de Minas, foram encontrados 39 trabalhadores rurais submetidos a condições degradantes de trabalho e cerceamento da liberdade de locomoção. As vítimas, que haviam sido recrutadas em Barreiras, na Bahia, com a promessa de boas condições de trabalho e de remuneração, foram transportadas para o local - distante 1.390 km de sua cidade de origem - em ônibus fretado pelo fazendeiro. Quando chegaram ao local, foram surpreendidos pelas péssimas condições oferecidas: alojamentos coletivos em uma edificação que, antes, servia de chiqueiro para a criação de porcos, em péssimo estado de higiene e conservação, sem ventilação e com instalações sanitárias insalubres. Não havia mesas ou cadeiras para as refeições e a alimentação era precária. Também não foram fornecidos equipamentos individuais de proteção para o trabalho. De acordo com a denúncia, os trabalhadores ainda sofreram restrição na sua liberdade de locomoção, ficando impossibilitados de retornarem a seu estado de origem. O fazendeiro, “além de ter fornecido somente o transporte de ida para a fazenda, realizava o pagamento por produção e, como havia poucos grãos a serem colhidos, a remuneração ficava abaixo da prometida, inviabilizando a compra de passagens de retorno”. Lista suja - Durante as investigações, descobriu-se que o fazendeiro já teve seu nome incluído na lista suja de trabalho escravo do Ministério do Trabalho e Emprego, em virtude de ocorrência anterior, em outra fazenda de sua propriedade, localizada no Município de São Desidério, Bahia. O próprio acusado confirmou já ter respondido a diversas ações civis públicas. A pena para o crime de redução à condição análoga à de escravo varia de dois a oito anos de prisão. Já o crime de aliciamento prevê pena de um a três anos. Fonte: O Tempo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEJA BEM VINDO

Prezado amigo(a), para nós é uma satisfação a sua visita em nosso blog. Este blog é uma amostra das matérias que circula no Jornal Sul Mineiro. Nas coberturas do Sul Mineiro sempre daremos uma nota aqui. O Jornal Sul Mineiro, Turismo, Negócios e Informações, está na região desde de 2002, ou seja, 10 anos, fazendo um trabalho transparente, honesto e com credibilidade. Tive ao meu lado a minha filha Juliana que foi minha Secretária no início que me ajudou muito. Hoje conto com o apoio enorme da minha esposa Rosy que é Secretária Executiva. O jornal nestes 10 anos sobreviveu graças o apoio das Prefeituras, Câmaras Municipais e Comerciantes, pois o Sul Mineiro é distribuído gratuitamente aos leitores. Sempre procuramos oferecer nossos serviços com transparência e honestidade. Por isso agradecemos sua visita e pedimos que sempre dê uma olhadinha em nosso blog para conferir as novidades.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
BAEPENDI, sudeste/Minas Gerais, Brazil
LOJA DE NOIVA COMPLETA
Ocorreu um erro neste gadget