2012/09/12

DETENTAS DE CAXAMBU PRODUZEM PEÇAS ARTESANAIS PARA EXPORTAÇÃO

Detentas do presídio de Caxambu, no Sul de Minas, finalizam, esta semana, um treinamento para a confecção de peças decorativas e utilitárias feitas artesanalmente com fibras sintéticas e voltadas para a exportação. O curso vai ensinar a técnica de produção de objetos como vasos, floreiras, caixas e cachepots e será ministrado por uma empresa, parceira da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) que instalou uma unidade de trabalho dentro do presídio. A empresa tem clientes de quase todo o território nacional e exporta para a Argentina, Paraguai, Uruguai e Angola. “Faltam profissionais qualificados para este tipo de produção, portanto, o mercado precisa e tem plena capacidade de absorver a mão de obra das presas que aprendem aqui a manusear e produzir peças com as fibras sintéticas”, ressalta o diretor comercial da empresa, Jones Aoki Lima. O pagamento das novas artesãs será feito por peça e a projeção é de que diariamente sejam confeccionadas 400 unidades, de diferentes tamanhos e modelos. “Precisamos completar uma grande remessa que será exportada em breve para Angola. O país utiliza fibras naturais, mas a sintética é uma novidade por lá e a empresa importadora tem renovado os pedidos”, revela Jones Lima. O gerente de produção do Presídio de Caxambu, Thiago Martins dos Santos, prevê que até o final do ano, as detentas envolvidas neste projeto somem um total de 20. Hoje, são sete. “Esta é uma das atividades da unidade que tem um papel fundamental na ressocialização. Propicia um retorno financeiro e ainda forma profissionais com possibilidades de contratação a partir da progressão de regime ou cumprimento da pena”, observa Santos. Novos conhecimentos e capacitação para a uma atividade digna são, para as sete detentas que receberam o treinamento no presídio de Caxambu, os maiores legados do desenvolvimento da atividade. Débora dos Santos Piauí, 37 anos, diz que é preciso manter a mente sempre ocupada e ressalta a necessidade de concentração para fazer peças perfeitas. “O trabalho vai trazer uma renda extra para a minha família e ainda diminuir minha pena”, lembra Débora. Fonte: SEGOV - Imprensa

Um comentário:

  1. gostaria de ver mais fots detentas de caxambu,o trabalho se faz nessesario para elas,pois mente vazia é ficina do diabo.o trabalho vai ressocializa-las.obrigada por essa atitude,mas fiquei sabendo que as presas estão sem trabalho ultimamente,e muitas estão em depressão pr ficarem muito tempo sem trabalhar ,ocupar o tempo para elas e muito importante emocionalmene, agggradeço a oportunidade de estar expondo minha opnioão. DINÁ LIMA GOMES

    ResponderExcluir

SEJA BEM VINDO

Prezado amigo(a), para nós é uma satisfação a sua visita em nosso blog. Este blog é uma amostra das matérias que circula no Jornal Sul Mineiro. Nas coberturas do Sul Mineiro sempre daremos uma nota aqui. O Jornal Sul Mineiro, Turismo, Negócios e Informações, está na região desde de 2002, ou seja, 10 anos, fazendo um trabalho transparente, honesto e com credibilidade. Tive ao meu lado a minha filha Juliana que foi minha Secretária no início que me ajudou muito. Hoje conto com o apoio enorme da minha esposa Rosy que é Secretária Executiva. O jornal nestes 10 anos sobreviveu graças o apoio das Prefeituras, Câmaras Municipais e Comerciantes, pois o Sul Mineiro é distribuído gratuitamente aos leitores. Sempre procuramos oferecer nossos serviços com transparência e honestidade. Por isso agradecemos sua visita e pedimos que sempre dê uma olhadinha em nosso blog para conferir as novidades.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
BAEPENDI, sudeste/Minas Gerais, Brazil
LOJA DE NOIVA COMPLETA
Ocorreu um erro neste gadget